quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Meu bebê me ama!


Nesta semana tenho passado por experiências novas com Giovana. É claro que quando se trata de uma criança, as experiências são sempre novas, mas, confesso que nunca imaginei passar pelas cenas que temos vivido nos últimos dias.


Após ter ficado 17 dias direto curtindo minha filhota, ela simplesmente não aceita o fato de que tenho que sair para trabalhar todos os dias... Tem sido uma choradeira sem fim. Ela chora me pedindo pra ficar, pra não ir trabalhar, e, eu choro porque tenho que ir.


Minha princesa teve até febre na escola. Ontem a diretora do colégio me falou que acredita que ela teve febre emocional, porque ela fica me chamando, dizendo que quer mamãe e que quer ir pra casa.


Sei que ela é bem cuidada e que fica com uma pessoa de total confiança, mas dá tristeza de ter que deixá-la. Na verdade enquanto ela não demonstrava que sentia minha falta, eu trabalhava tranquila, mas agora, é diferente, porque sei que ela gostaria de estar comigo. Esse mundo moderno é uma m... Antigamente as mães ficavam em casa cuidando dos filhos e eram felizes... Mas hoje, saímos para trabalhar, deixamos os filhos e nos sentimos culpadas por sermos felizes fora de casa e longe do alcance de nossos filhos... Eu amo a minha filha mais que tudo, mas sou uma mãe moderna, que precisa sair de casa todos os dias, arrumada e perfumada, que adora trabalhar em escritório e que odeia lavar louça. Além do mais, crio a Giovana sem ajuda financeira do papai, logo, como vou criar minha filha sem trabalhar? Não posso me sentir culpada. Na verdade tenho que conseguir fazer com que minha pequena perceba que ela é muito amada, e que perto ou longe, vou estar com ela sempre!!!


Amo essa menina mais que tudo!!!


Beijos



6 comentários:

Angélica disse...

Oi Patrícia, Tudo bem? Te achei no blog da Pri. Eu me chamo Angélica e tenho uma coisinha que é a razão do meu viver também. Ele se chama Pedro Henrique e tem 1 ano e 10 meses. Li o seu texto e me identifiquei com algumas partes (mães sempre se reconhecem em alguma coisa). Eu também trabalho e por isso não posso (infelizmente!!!) passar o tempo que gostaria com meu menininho. Ele vai pra escolinha também mas graças a Deus vai muito bem, alegre e feliz (me dá até tchau. Ás vezes ele chora, mas é muito difícil). Fica meio período na escola e meio período com minha mãe. Á noite, quando chego, já estou bem cansada, mas é só olhar para carinha linda dele que me derreto e corro para beijar, abraçar, apertar, brincar e mimá-lo um pouco. Mas, mulher é assim, dupla jornada: ao chegar também tenho "casa" para cuidar e tals. Meu marido me ajuda como pode. Não posso reclamar. Faz tudo o que precisar com o pequeno, mas vc sabe, o filho é sempre + da mãe. Eu acho que isso que está acontecendo com vcs (apego)se deve ao fato de vcs terem ficado bem agarradas nas férias, o que é ótimo, mas se vc conversar bastante com ela e explicar que a mamãe ama ficar com ela o tempo todo (como nas férias) mas também tem que trabalhar todo dia pra ganhar dinheiro e poder cuidar dela do jeito que ela gosta e precisa ela vai entender. Pode demorar um pouquinho, mas ela vai entender sim. Fala pra ela que vc fica triste se ela fica triste, e vc quer vê-la sempre feliz. E que no fim de semama vcs tiram a diferença e passam o tempo todo grudadas. Pensei várias vezes em parar de trabalhar, mas nós sabemos que não é fácil. Eu e meu marido somos advogados e temos que trabalhar mesmo. Férias, hum, nem me lembro quando foi a última, mesmo assim de 10 dias (minha "licença maternidade" foi de 45 dias...). Acho que essa estória da culpa pinta com toda mãe, mas a gente tem que se fixar naquilo que é melhor pra todo mundo e administrar "nossas saudades". Mãe, eita bichinho complicado. Boa sorte pra vcs e desculpa o longo texto. Beijos

Danny disse...

Amiga, pode ter certeza que vc não é a única a ter esse sentimento de culpa, eu também tenho. A Nathalia também está nessa fase de querer ficar só comigo, tá um apego só, eu gosto desse apego, mas meu coração quebra por saber que ela chora na creche e chama por mim. Mas fazer o que né amiga, temos que trabalhar para dar tudo de melhor para elas. Bjs!

Michele Rosa disse...

Como vc mesmo já disse, querida, a modernidade e a necessidade nos traz esses contratempos...

Mas sem o nosso trabalho, ou melhor, sem o dindin fruto do trabalho, talvez ficasse mais difícil (ou impossível!!!) criar e dar tudo o que nossas pequenas precisam...

Bjocas e já tô de férias!!!

Michele Rosa disse...

Li no seu perfil q vc é de Niterói, trabalho em Niterói, olha q bom!!! Um dia podemos marcar de passear com nossas pequenas, quem sabe, né?

Beijocas

Danny disse...

Só passei para desejar um Dia da Criança muito feliz pra Giovana. Bjs!

Bárbara disse...

Oi.. Patricia....

É vida de mãe moderna não é fácil.. nem um pouco..tbm vivo esse dilema.. de deixar os babys na escola..e tal... tbm ralo o dia tdo.. se bemq andei por um mes meio de folga...pq sai de um e agora encontrei outro ... amanhã começo o treinamento ... enfim... coisas da vida... sofro muito pro deixá-la... e apesar de ainda estar como pai da minha filha.. estamos numa fase bem delicada.. não posso contar muito com ele tanto para cuidar qto $$... enfim.. tbm não paro.. vivo por ela..sempre e vou viver...
Agradeço a Deus por tudo q posso proporcionar a ela....

E vc tbm é uma mulher forte... tenha fé..q logo..as coisas se ajeitam..

bjoss

bom dia das crianças...